sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Na Cocanha todos os desejos são satisfeitos

Quem não quer viver em um país onde todos seus desejos são satisfeitos? Desde a imortalidade até o ócio. Tudo perfeito! Nem tanto. Há quem morra de tédio nesta terra idealizada na frança medieval, que inspirou até os hippies dos anos 60. Esta terra nos é por Tatiana Belinky, uma bela autora de livros infantis, no Limeriques da Cocanha, editado pela Companhia das Letrinhas e ilustrado com inspiração por Jean-Claude Alphen. Os limeriques, como ela mesmo explica em verso, "são poeminhas/ Que sempre só têm cinco linhas./ Contando, rimados,/ Uns 'causos' gozados. Estórias bem piradinhas." Vale a pena lê-los em voz alta para a criançada e imaginar-se com tão boa vida, mesmo que, ao fim, você conclua como a poeta que a perfeição leva ao tédio. Enfim, desconforto é fundamental. Mas o difícil é uma criança achar isso. O Pedro, por exemplo, deleitou-se imaginando-se na Coconha. A Cocanha seria seu reino e, em seu castelo, haveria toda a sorte de bugigangas eletrônicas, como o Wi e game boy. Mas ele seria um rei generoso. Chamaria todos os mendigos do Rio para morar na Cocanha. Assim, eles teriam casa, comida e roupa lavada. A Cocanha para o Pedro é o paraíso, onde os pobres se tornam ricos e ele estaria no comando. Lugar melhor, não há.

5 comentários:

Isabel disse...

Oi, Luciana, está muito legal o blog, voltarei sempre. A Bebel gostou muito de 'Assim, sim', da Tatiana Belinky. Acho que vai adorar os 'Limeriques da Cocanha'. A propósito, o que são limeriques?
beijos,
Larissa

Isabel disse...

Agora vc me pegou. Fiquei pensando como seria a Cocanha da Isabel e concluí, feliz, que não tãaao diferente da nossa vida.
Teria mamãe (menos brigona um pouco do que na vida real), papai, a irmã (não ia chorar mais quando fosse para o colo dela), a Ti (babá), as amigas e amigos.
De diferente, lá teria uma Amazing Ananda, mais joguinhos de Nintendo e Internet liberada para jogar a qualquer hora. A comilança também seria livre: macarrão todos os dias, biscoito de chocolate, Estrelitas, Ades aos litros. Teria maquiagens, brilhos e muitas roupas cor-de-rosa e lilás. Além de uma comunidade fortíssima de bichinhos de pelúcia.
A Ti moraria em Laranjeiras, em vez de Nova Iguaçu, e a Paula (filha dela que a Bel ama de paixão) estudaria no São Vicente. Os primos também morariam perto (tem uns em BH e outros no Recreio) - de preferência
na própria Cocanha... Ô vidão!
mais beijos,
Larissa

Tino Freitas disse...

Olá Luciana, Passando aqui para retribuir a visita e falar da alegria de encontrar pares - como você - que oferecem ao público um pouco das delícias pescadas no mar de histórias da literatura infantil. Por falar em Belinky, Cocanha é ótimo, mesmo.

Luciana Conti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana Conti disse...

Oi Larissa e Tino,
Estou estreando as respostas para os comentários com vcs. Assim podemos conversar um pouco sobre os livros e a vida. Adorei a visita. Voltem sempre. Vou me esforçar para que o retorno sempre valha a pena. Bjs. Luciana Conti
Em tempo: Limerique é a adaptação feita pela Tatiana de uma estilo popular de compor versos em quintilha. "Os 'limerick' são poeminhas/ Que sempre só têm cinco linhas,/ Contando, rimados,/ Uns 'causos' gozados:/ Estórias bem piradinhas" – assim Tatiana define esse tipo de poema.