terça-feira, 12 de junho de 2012

Namoro também é assunto de criança

Hoje é Dia dos Namorados e, ao contrário do que muita gente acredita, este assunto não é apenas de adultos. É de criança também. De criança grande, que sonha em ser adolescente, mas ainda é criança. Foi assunto meu, quando eu ainda era um pingo de gente e sonhava platonicamente com um coleguinha de turma, e está sendo assunto do Pedro, de 10 anos. Assim que percebi este interesse, fiquei tensa. Achei que ele ainda era muito novo para pensar nisso. Mas não, disse-me o Cadoca! Lembrei de meus suspiros de infância e concluí - namoro de criança é namoro experimental. Quem nunca beijou um espelho que jogue a primeira pedra. Namoro de criança serve para ensinar os códigos dos apaixonados e fazer sonhar, mais uma vez, com uma adolescência que se avizinha. Uma delícia, que infelizmente, nós adultos não vamos mais viver. Por isso, resolvi fazer aqui no GATO DE SOFÁ uma pequena homenagem aos jovens enamorados, falando de dois livros deliciosos. O primeiro é Luana Adolescente Lua Crescente, de Sylvia Orthof, editado pela Nova Fronteira. O livro é de 1989 e comprova que namoro sempre foi assunto de criança. A personagem de Sylvia é Luana, uma pré-adolescente, que está apaixonada por Marcelo e sem saber o que fazer com este sentimento, que a expõe e envergonha, inventa um tal de Antônio para fazer frente a seu verdadeiro amor.  Marcelo é um menino real, que, assim como ela, está descobrindo os primeiros passos do amor e vive tempos difíceis em família. Antônio é um super menino, rico e seguro, ideal para incomodar Marcelo e aliviar as angústias de Luana. O texto é gostoso como todos de Sylvia e, com certeza, ajuda as meninas a perceberem que todo mundo tem medo de pagar mico com o primeiro namorado, só a bailarina é que não tem. Mesmo nossa rival, por mais que meninas como Luana sempre achem que ela se parece muito com a bailarina. Inseguranças nessa hora não são coisas apenas de meninas. Os meninos também tremem diante de sua primeira paixão. Eu, que tenho dois irmãos, sei bem isso. Gregório, narrador de Todo mundo namora menos eu, do francês Alex Cousseau, pela Edições SM, não foge à regra. O menino, que passa toda a narrativa apaixonado por uma moça de 19 anos, é um bom exemplo de quem se enamora antes da hora. Ele curte cada suspiro, cada possibilidade e ao fim entende que o amor nem sempre nos sorri. Mas que o bom é poder vivê-lo. Até porque faz parte do aprendizado do amor dar umas cabeçadas. Quem não é mais criança, sabe bem disso. E só quem dá a volta por cima, como Gregório, é que pode em um dia como hoje ter alguém para dizer: Feliz Dia dos Namorados!

3 comentários:

Mil Cachinhos disse...

oi Lu,
que dicas legais! Eu não conhecia nenhum dos dois livros, mas vou procurar conhecer.
Mas tenho que confessar que quase caí para trás! Como assim o Pedro já ter 10 anos? Nossa, como o tempo passa rápido! Imagino que fase gostosa (e confusa) vocês estão passando.
bjs para você e para o pequeno enamorado,
Mil Cachinhos

Natalie disse...

ótimas dicas, como sempre!
lembrei que, qdo eu tinha 7 anos, propus a um menino de 14, por quem eu era apaixonada, que namorássemos, rs! lógico que ele disse que eu era muito nova e tal, foi um fofo! e lógico que eu fiquei morrendo de vergonha dele por vários anos! :)boa essa fase e bacana poder contar com os livros pra tirar o peso dela das costas dos pequenos.

bjos

Ana Paula disse...

Oi Luciana! Hoje li "todo mundo namora menos eu".
Comprei o livro no dia em que li esta tua postagem e acabou que esqueci na gaveta... Hoje o "encontrei"e foi uma delíciosa leitura numa tarde chuvosa.
Assunto sim de criança, porque se enamoram e exercitam o sentir.
Foi ótima a tua indicação, o livro é encantador, poético, narrando as maravilhas e as agrúrias de se estar apaixonado. E que final lindo e surpreendente!
Beijo